É difícil fazer um aborto medico sozinha?

 

Não. Você pode tomar Mifepristone e Misoprostol sozinha. Usar estes medicamentos não é mais complicado do que tomar outros comprimidos. Aqui obterá instruções claras de como utilizar estes medicamentos, o que esperar e quando recorrer a um médico. Se tiver alguma questão acerca de algum passo deste processo, pode contactar a linha de ajuda. Não é necessário que o aborto medicinal seja realizado num hospital ou numa clínica de primeiros-socorros. Os riscos associados a um aborto medicinal são os mesmos que para um aborto espontâneo. Cerca de 15% das gravidezes terminam em aborto espontâneo. Estes não acontecem geralmente num hospital mas sim em casa. A maioria das mulheres sabe lidar com isso elas próprias e apenas vão a um hospital em caso de problemas, como hemorragia intensa ou febre. Um aborto medicinal provoca um aborto semelhante ao espontâneo. Pode tomar os medicamentos sozinha, em casa, desde que seja saudável, não esteja grávida há mais de 10 semanas e viva a cerca de uma hora de um local onde possa recorrer a ajuda médica. 64

Mais informação:

O Mifepristone e o Misoprostol não provocam efeitos que tenham que ser monitorizados numa clínica. “Uma auto-administração correcta de Mifepristone-Misoprostol é simples. Ao contrário de outros medicamentos, como a adriamicina ou a penicilina injectável, que necessitam de uma administração sob supervisão médica, devido a reacções rápidas e potencialmente fatais, nem o Mifepristone nem o Misoprostol são complicados de administrar nem envolvem sintomas difíceis ou perigosos que tenham de ser seguidos durante ou imediatamente depois da sua administração" 7 .

Foram feitos vários estudos sobre se as mulheres podem ou não tomar o Misoprostol em casa e estes estudos determinaram que sim, as mulheres são capazes de tomar Misoprostol em casa e é seguro que o façam 14 . Nestes estudos, as mulheres tomam Mifepristone na clínica e depois tomam o Misoprostol, mais tarde, em casa. O Misoprostol é a parte do regime que provoca contracções e sangramento. Está associado maior risco ao Misoprostol do que ao Mifepristone. Visto os cientistas terem determinado que as mulheres podem utilizar com segurança o Misoprostol em casa, então será também correcto e seguro tomar o Mifepristone em casa.

Existem vários estudos que provam que as mulheres conseguem suportar os efeitos secundários. Um dos estudos, que incluiu milhares de mulheres americanas, pretendia avaliar se elas poderiam utilizar, com segurança e sucesso, Mifepristone e Misoprostol, com uma menor supervisão por parte dos profissionais de saúde. Os cientistas observaram que as mulheres seguiam as instruções para procurarem ajuda caso ocorressem problemas. Também concluíram que as mulheres deste estudo eram capazes de lidar com a perda de tecido e sangue quando realizaram abortos medicinal sozinhas 7 .

Noutro estudo, que envolveu mais de 1000 mulheres, os cientistas afirmaram que as visitas de seguimento obrigatórias após um aborto medicinal podem ser desnecessárias. Eles afirmaram, “Sugerimos que dar à mulher instruções simples e aconselhamento sobre a detecção de complicações seria uma alternativa adequada às consultas de seguimento, visto existirem poucas evidências de que as consultas de seguimento possam detectar algum problema que as mulheres não consigam aprender a reconhecer elas próprias" 20 . As mulheres procurarão cuidados médicos se tiverem algum problema. Quando têm informação e acesso a cuidados médicos em caso de urgência, as mulheres, tanto em países desenvolvidos como em vias de desenvolvimento, conseguem lidar sozinhas com os efeitos de um aborto 1 .

Médicos na Escócia organizaram um estudo no qual várias mulheres realizaram o aborto medicinal em casa. Um dos investigadores, o Dr. Gillian Penney da Universidade de Aberdeen, afirmou, “Fiquei muito surpreendido com o nível de aceitabilidade do aborto em casa entre as mulheres. Pensei que fosse assustador para as mulheres e que elas quisessem estar com a equipe necessária que lhes podesse dar apoio e confiança ao longo do procedimento. Mas as mulheres que passaram por esta experiência sentiram genuinamente que era algo com que conseguiam lidar em casa. Muitas preferiram escolher uma companhia que pudessem ter na sua casa e poderem usar a sua própria casa-de-banho". Nenhuma das 50 mulheres incluídas no estudo se queixou de algum problema. O Serviço Britânico de Aconselhamento à Gravidez (British Pregnancy Advisory Service) e a Faculdade Real de Obstetras e Ginecologistas (Royal College of Obstetricians and Gynaecologists) apoiam o acesso das mulheres ao aborto medicinal
em casa 46 .