Juliana

당신의 이야기를 공유합니다

Das coisas que aconteceram em minha vida, posso considerar essa, é de longe, a mais díficil experiência que passei. Estar no meio de um curso, recém-divorciada, e prestes à fazer intercâmbio, além de estar a pouquissimo tempo com a pessoa que me engravidou, é que me fizeram refletir e tomar a atitude que tomei. Se me orgulho de fazer isso? Não, mas com certeza, estava ciente do que queria e o que precisava fazer no momento. Assim como algumas mulheres, nunca havia pensado no aborto como opção, considerava que cada um tem que arcar com a responsabilidade do ato feito, mas quem disse que tomar a decisão e passar por todo o processo já não é arcar com a responsabilidade? Passar por todo o sofrimento calada, fingir que nada está acontecendo com você, quando na verdade sua cabeça está um inferno, seu corpo já começa a mudar? A diferença é não ser a decisão que a sociedade, o governo, a igreja quer.
A partir do que passei, acho mais do que necessário as mulheres terem direito a um aborto seguro, se assim lhe convém. Há muitos casos de mulheres que morreram, por falta de apoio da família e por não ser legalizado, pois no desespero, você toma remédios em excesso, toma chás intoxicantes, vai em clínicas clandestinas, correndo diversos riscos. Legalizar o aborto evitaria muitas mortes, além de evitar o nascimento de uma criança que pode ser rejeitada pela mãe, sendo abandonada, ou não tendo o amor que mereça.
Se eu quero ser mãe? Quero, mas quando tiver condições de criar meu filho com segurança e com todo o amor e atenção que ele mereça.
Sobre minha história, fiquei com a pessoa no dia 30/04, e no dia 17/05 tive um sonho de que estava grávida, acordei desesperada, sabia que estava alguns dias atrasada, mas foi instinto, fiz o exame e deu positivo, na dúvida, repeti o teste de farmácia, positivo novamente, entrei em choque, não consegui pensar, rir, chorar, não conseguir fazer absolutamente nada! Avisei meu companheiro, o seu desejo sempre foi ser pai, mas apoiou minha decisão, e me ajudou, procurando com amigas feministas, grupos de mulheres que expusessem qualquer coisa que nos ajudasse. Comecei tomando chás, até o momento, tenho asco de sentir alguns cheiros, fiz chá de artemisia, arruda, canela, cravo e por último tentei o temido chá da buchinha do norte, dito infalível, e no fim de tudo, falhou! Meu desânimo e desespero aumentaram, tinha que ir pra faculdade e fingir estar tudo bem, mas muitas vezes faltei, pois não tinha coragem de olhar meus amigos e sorrir e ser a mesma de antes, afinal, depois disso tudo, depois de tanta toxina, creio que ter o bebe fosse mais arriscado do que nunca, ele nasceria com problemas sérios. Foi então, procurando no Women on Web que comecei a ler os comentários e surgiu mais força para continuar lutando pela minha decisão, e encontrei uma história de uma moça que comentava de uma Danica, depois de pesquisas e e-mails que troquei com ela, confiei e comprei as pílulas, passei a semana ansiosa com a chega das pílulas e pensando se aconteceria qualquer imprevisto.
Em questão de 2 dias, minhas pílulas chegaram, e resolvi tomar no mesmo dia, fiz todo o procedimento, de me alimentar com coisas leves, comprar remédio pra dor e tudo mais. Meu método (acho q cada um deva ter o seu, foi com a ajuda da Danica), coloquei dois comprimidos sublingual, e 2 intravaginal. Cerca de 30min, o comprimido tinha desfeito e comecei a sentir cólicas e calafrios. Em 1h comecei a sangrar, foi muito rápido, me deu muitas esperanças. A Danica, um amor de pessoa, me assistiu de longe pelo whatsapp, me ajudando. Depois de 3h teria que colocar mais 2 intra, mas tava sangrando o suficiente para ser arriscado perdê-los, tomei sublingual, em 30min me deu uma ansia muito grande, por mais que tentasse segurar, não consegui e fiquei com medo de não fazer o efeito. Tive um pouco de febre, mas como ela me disse, não passou de 38,5º C. Mais cólicas, um pouco mais fortes, mas nada absurdo. 1h depois sentia que estava descendo muito sangue, achei que estava com hemorragia, e fui no banheiro trocar o absorvente, e na hora que fui fazer xixi, escorregou uma bola, achei que era um coágulo, e não é que era o tinha dado certo? Fiquei muito espantada, porque achei que ia sofrer horrores, pois li várias histórias, mas foi muito mais fácil do que imaginava.
O processo todo levou cerca de 5h, e sem muito sofrimento, como se eu estivesse com cólicas menstruais! Estou muito feliz, e com certeza indico com a maior segurança, o contato da Danica ..................Graças que existe pessoas de boa índole e que nos ajudam.

2015 Brazil

What were your feelings about doing the abortion/s?

How did you do the abortion?

What was your situation at this time?

낙태의 불법 성이 감정에 영향을 미쳤습니까?

Sim, tomar uma decisão que o governo, o país e as pessoas são contra, nos afetam psicologicamente.

다른 사람들은 당신의 낙태에 대해 어떻게 반응 했습니까?

Me apoiaram a todo momento

legal/illegal

What is your religion?

Marie

I had an abortion. It's a choice I want available for every woman, for…

Cristina Lima

Fiz um aborto.

andrea

A mi ángel

Almma Crysta

Supe de mi embarazo el 19 de enero de 2018 por una ecografía transvaginal que…

Anônimo

Gostaria de começar dizendo que deu tudo certo!
Quando realizei meu aborto…

Fallen Angel

I had the SAFEST ABORTION even in the PHILIPPINES through womenonweb.org.

Joice

Já é difícil criar 2 filhos, não conseguiria lidar com um terceiro..

mayumi uehara

Fiz.não me arrependo e contei com a ajuda da ong, o que foi essencial para que…

G.

Zawsze miałam nieregularny okres, także tydzień spóźnienia nie dawał mi…

Maleja

Yo aborté.

Karolina B

Kiedy spóźniła mi się miesiączka ... Wtedy juz wiedziałam że to ciąża .

María

Mi aborto.

Vandalize

Já fiz quatro: 2004, 2005, 2009 e 2015

mica

Yo aborté y no me arrepiento ni un segundo de haberlo hecho.

Jéssica

RELATO DE UM ABORTO BEM SUCEDIDO DE UMA MULHER SEM NOME:
Nunca pensei que…

Jora

Fiz um aborto e o momento foi muito delicado. Primeiro que fui procurar os…

Camilla Ferraz

Fiz um aborto porque tenho o direito de decidir meu futuro e minha história.

Deborah

I had an abortion I’m not mad about all the soul-baring on the internet, but I…