Cristina Lima

Compartilhe a sua história

Fiz um aborto.

2010 Brasil (nascido em Brazil)

Quais foram seus sentimentos em relação ao aborto(s)?

Há uma grande diferença entre os sentimentos pré, durante e pós-aborto. Demorei para assumir os resultados positivos dos testes de gravidez (sim, foram vários... e de diferentes resultados), na minha cabeça eu torcia para que fosse um problema hormonal. Ficava ansiosa e achava que menstruaria a qualquer momento. Quando percebi que não havia outra solução fiquei extremamente temerosa, desde sobre as consequencias físicas, psicológicas até as penais. Me considero estúpida por ter bebido demais, transado com um desconhecido (e completo idiota, imaturo e egoísta), não ter tomado a pílula do dia seguinte, e então, recorrer a tantos métodos bizarros (chás, lavagens vaginais com medicamentos a base de hormônios) e ter esperança que surgissem efeito, enfim... Meu medo durante o aborto foi de que ele não funcionasse, que eu continuasse grávida e que isso prejudicasse a formação do feto. Hoje me sinto aliviada, e sim, foi a melhor decisão que eu poderia ter tomado. Nós mulheres temos direito sobre essa decisão, independentemente da gravidez ser fruto de irresponsabilidade, acidente, violência sexual ou qualquer outro tipo de coisa. Me senti envergonhada enquanto grávida, hoje não mais, sinto vergonha é desses países machistas e religiosos que privam milhões de mulheres de seu direito de escolha. Gostaria de que nenhuma mulher sentisse o que senti: coagida. Forçada ao silêncio, submetida a um sistema que cada vez mais oprime as mulheres, negando-lhes direitos. Women on Waves, parabéns por essa ação digna da minha admiração!

Como fez o aborto?

Conheci uma enfermeira que indicou alguns procedimentos, um deles era um medicamento que depois descobri também ser proibido (Ginecoside) o qual não tive nenhum acesso; o outro, era uma mistura de soro fisiológico com anticoncepcional triturado que deveria ser introduzida na vagina através de uma seringa, confesso que o fiz, mas não obtive resultado. O "parceiro" comprou um chá com diversas ervas abortivas, tomei e tive uma intoxicação. Depois disso tentei chá de canela com pinga, fiquei bêbada, mas nada de sangramento! Isso tudo por causa do fantasma Cytotec (proibido, hemorragia, morte, crime, má formação do feto, etc.) e esses foram os métodos que tive fácil acesso e que segundo alguns blogs eram eficazes. Hoje percebo o quanto perdi a noção do perigo e em como o desespero e o medo fizeram com que eu me submetesse a esse tipo de procedimentos duvidosos. O tempo foi passando, e rápido, não tive mais dúvidas e recorri logo ao tão temido remédio. Quero dizer que sempre tive o apoio das Women on Waves (antes-durante-depois), sempre esclarecendo dúvidas e entrando em contato com cada vez mais informações (questão das doações, dos medicamentos, etc.) provando a seriedade dessa organização. Admiro e apóio esse tipo de trabalho. Hoje percebo que deveria ter sido o único procedimento adotado.

Como era a sua situação nessa altura?

Sou jovem, universitária e ainda moro com meus pais. Uma criança seria bem-vinda na família, mas não agora, não da maneira que as coisas aconteceram. Conheci o parceiro em uma festa, e logo que soube da gravidez apoiou a decisão, mas nada fez para ajudar. Eu é quem procurava informações sobre aborto, medicamentos, métodos, etc., ele parecia pouco se importar: apenas me ajudou cedendo o apartamento e acompanhando o procedimento. Sem contar que eu espero a ajuda financeira dele (os gastos com medicamentos) até hoje (há 2 meses).

A ilegalidade de seu aborto afetou seus sentimentos?

Extremamente! Eu sabia que há artigos no Código Penal que confirmam a punição em relação ao aborto e ao porte de substâncias ilegais, mas não sabia se eu realmente sofreria as consequencias legais por esses atos, daí o medo e insegurança ao procurar por ajuda.

Como as outras pessoas reagiram ao seu aborto?

As poucas pessoas que souberam sobre o fato falavam sobre assumir a criança e evitar alguma consequencia mais grave por causa do uso dos medicamentos. A preocupação maior era em relação à minha saúde e à da criança.

Qual é a sua religião?

Casey

Abortion as a right not a privilege: My abortion story

sorrow

Najtragiczniejsze doświadczenie w życiu...


Po prawie dziesięciu miesiącach od…

Debby

Então minha disponibilidade para este relato se fez para encorajar todas…

P.

Wszystko zaczęło sie dosyć banalnie i nic nie zwiastowało, że wkrótce mogę sie…

ana maria Duque

I had an abortion but this wasn't easy I was very afraid, but i never regret…

xxx xxx

znów mogę cieszyć się życiem...

Karin

Zrobiłam to!

Wiadomość o ciąży:

Mój cykl menstruacyjny zawsze wynosił 28 dni

Gaby

Força, tudo que precisa!

Karolina

Miałam aborcję

Emi

Fiz um aborto porque adoro crianças e acredito que só podemos deixar um…

Manuela L

E não me arrependo.

Wendy

Mi historia

Angela

Pregnancy and abortion - what a trip.

Silvia

Nunca arrepentida

Dawn & Kevin

I had two abortions

Mitzi .

I had an abortion. And i know that was the best choice.

Jane

I had 2 abortions

Ashley Engbrecht

At the young age of 17, I was the victim of sexual assault. There is nothing…

Alice

This is how it went for me