Florzinha

Condividi la tua storia

Um pouco da minha história...

2015 Brazil

What were your feelings about doing the abortion/s?

How did you do the abortion?

Estou aqui para deixar um pouco da minha história... Espero que assim como as que aqui encontrei, esta possa ser útil a quem precisar. Bom vamos lá... Tudo começou no ano de 2014, quando de fato me apaixonei por um homem mais velho. Estava realmente apaixonada. Tudo nele era lindo... Tudo... exceto o modo como ele me tratava... Bem lá no fundo do meu coração, eu sentia que ele era um homem mau. Daqueles que gostam de dizer palavras que machucam. Me sinto uma idiota quando penso no quanto amei esse ser vil. Então, comecei a minha busca intensa para ter um relacionamento com ele, pois estava loucamente perdida, e não conseguia parar de pensar nele. Até que depois de tanto investir, começamos um relacionamento, no início desse ano. Até que me dei conta que os meus dias não seriam mais os mesmos... Começamos a nos relacionar e na maioria das vezes que nos encontrávamos, era tudo lindo, até o fim do dia, já que não parávamos de brigar. Decidimos várias vezes terminar o relacionamento que até então, era segredo... Mas como nada fica em oculto pra sempre, lá estava eu, com apenas um mês de relacionamento e grávida, de apenas duas semanas. Eu descobri que estava grávida muito cedo devido a dores imensas nos seios, que não paravam de doer por um minuto se quer. Fora o atraso na menstruação, e diversas confirmações dos inúmeros testes de farmácia. Quando eu contei ao pai do bebê que estava grávida, sua reação não foi o que eu esperava. Eu disse a ele que nós tinhamos duas opções: Ou iríamos abortar, ou criar nosso filho com todo amor, mesmo não sabendo se iríamos ficar juntos. E para confirmação do que já esperava, e para meu desespero, eis que ele ficou com a primeira opção. E disse que sentia paz no que eu tinha dito. Foi ali, naquele momento, que meu mundo caiu... E eu me vi sozinha mais uma vez e sem direção do que fazer para não ter um filho. Tudo o que ele falava não me consolava. Foi aí que eu descobri que não saberia o que fazer para corrigir o erro de ter ficado grávida sem planejamento. Me senti abandonada, confusa, com medo de tudo e de todos. Nosso maior problema nunca foi a questão financeira, mas sim o fato de não suportarmos a idéia de ficarmos presos um ao outro por conta de uma criança. Já que, a gente mal se conhecia. E se eu achva que ele era mau, ele também tinha lá as suas concepções sobre mim. Eu pensei várias vezes em ter o bebê, eu tambpem pensei várias vezes em abortar. Eu tinha medo de tomar o Cytotec, pois estava com medo do estrago que ele poderia me causar. Conversei durante um mês, com amigas, médicos e amigos que fiz na net , e para meu desespero ser maior, todos parecia dizer a mesma coisa: Essa decisão só cabe a você!!!! Meu Deus, como isso me atormentava... Eu queria morrer, mas não queria ter que decidir se meu filho viveria ou se morreria... A angústia foi demais. Até que um dia, acordei decidida a não ter, e acabar co todo o tormento. Estava decidida a abortar, ainda que com o coração sangrando... E acredite, eu nunca imaginei que eu teria que decidir isso na minha vida. Graças a Deus eu consegui ter acesso a uma clínica fora do meu Estado, pois no que moro, não encontrei, nenhuma funcionando, muito menos alguém que tivesse conhecimento de como ter acesso a elas. O procedimento foi tranquilo. Não tive dores. Só a emocional, que já era o suficiente. O médico parecia um pai. Me deu tanta atenção, que me senti sua filha. Ele me deixou segura de tudo, e me deu conselhos para não passar por isso de novo. Eu sofro em saber que nem todas as mulheres vão ter o cuidado que me ofereceram. E que muitas delas vão perder a vida, por não terem acesso a bons médicos, como foi o meu caso. Quanto ao pai do bebê, eu fiz o enterro dele nos meus pensamentos. Mas as vezes, ele insite em ressussitar, aí eu vou lá e o enterro novamente. Não contei pra ele o resumo da história... e não vou contar. Se ele não ajudou no começo, não será no fim que vai ajudar. Meninas, eu resumi bastante o meu caso, e queria poder abraçar todas vocês que assim como eu, passam, ou passaram por esse momento difícil. Mas de uma coisa eu tenho certeza: DEus não nos abandona. Ele ainda nos ama, e sempre nos amará, independente de quem somos, ou do que fazemos. E depos de ter chorado tanto, eu só peço a Ele que me perdoe, e que me ajude a não passar por isso nunca mais. E sei que ele me ouviu e te ouviu também. O meu conselho é que se você está passando por isso, não tome nenhuma conclusão precipitada. Pense bem. E depois de muito pensar, tome a decisão que será melhor pra você. Sintam-se abraçadas.

What was your situation at this time?

Did the illegality of your abortion affect your feelings?

Sim. Me senti uma criminosa.

How did other people react to your abortion?

A maioria me ajudou. Só uma me crucificou.

legal/illegal

What is your religion?