Lua Nova

 

Fiz um aborto

2009 Brazil (born in Brazil)

¿Cuáles fueron sus sentimientos acerca de hacer el aborto (s)? en paz, enojada

Sinto-me aliviada e com um sentimento bonito dentro de mim. Eu não esperava que eu fosse me sentir assim. Parece que houve uma mudança incrível dentro de mim. Parece loucura, mas o aborto foi pra mim um ato de profunda responsabilidade e amor. Penso que eu teria sido egoísta em colocar uma criança no mundo, egoísta porque esta foi a primeira vez que engravidei, tenho já 39 anos e talvez eu nunca mais tenha a chance de engravidar novamente. Mas eu teria sido irresponsável em colocar uma criança no mundo sem poder possibilitar a ela a delícia de ter nascido de uma relação estável, onde ela seria fruto do amor e do desejo de ambos. Ela provavelmente não teria pai. Eu não estava preparada para ser uma boa mãe neste momento. Algo mudou dentro de mim, sinto-me mais humana, mais mulher, mais madura. Não me sinto mais forte, mas sinto-me mais sábia, sei lá. Penso que fiz o melhor que pude. Amei e respeitei profundamente um ser que estava sendo gerado dentro de mim.

¿Cómo hizo el aborto? con medicamentos

Foi muito mais simples do que eu imaginava. Eu estava com pouco mais que oito semanas. Segui todas orientações da Womem on Web. Tomei o primeiro medicamento e 24 horas depois mais 4 comprimidos. Uma hora depois eu senti enjoos. Vomitei umas trez vezes, isso porque fiquei bebendo agua. Comecei então a sentir as contrações que eram mais forte que uma cólica normal. Aproximadamente 3 horas depois que eu havia tomado os quatro comprimidos, senti o momento em que provavelmente o aborto aconteceu. Depois disso as contrações praticamente pararam. Sentia-me cansada, e então, quando deu quatro horas, tomei mais dois comprimidos. Não senti mais as contrações e dormi bastante. Fiquei um tanto preocupada porque eu não sangrei muito. Na verdade eu sangrei muito pouco e isso me fez temer que ainda estivessem resíduos dentro de mim. Graças a Deus não tive febre e sentia-me bem. Meu corpo ficou estranho ainda por um bom tempo. Parecia que tudo estava fora do lugar. Não tem nada a ver com estar gorda ou coisa assim. Eu tinha a nítida sensação de que meu organismo estava em desordem. Ainda que eu tivesse quase certeza que não estava mais grávida, a tal dúvida permanecia, acho que era mais medo. Temia que tivesse ficado restos em meu útero. Fui orientada a fazer uma ultrassonografia 10 dias depois, mas isso não era tão simples, para isso eu teria que passar por um médico e eu temia ser maltratada. Sentia-me ainda emocionalmente frágil, indisposta a expor-me a prejulgamentos, acho mesmo que nem queria falar com qualquer médico. Também faltava-me dinheiro para fazer um ultrassom. Então, depois de ler alguns depoimentos no orkut, senti-me mais tranquila e, como não sentia dores ou febres, decidi esperar até que a menstruação normal viesse. Hoje estou no final de minha primeira menstruação após o aborto. Agora sinto-me um pouco mais segura para ir ao hospital. Agora sei que se alguém me tratar mal ou só insinuar qualquer atitude menos amorosa, estarei pronta para reagir bem, preservando minha dignidade. Sinto-me mais forte. Resumindo, o aborto medicamentoso foi super tranquilo, o mais difícil mesmo foi lidar com o fato de o aborto ser ilegal no meu país, do preconceito, da maneira insensível com que tratam pessoas que vivem esta honrosa e dificil decisão de fazer um aborto.

¿Cuál era su situación en ese momento? cuestiones económicas, Problemas en mi pareja

Eu sou apaixonada por crianças. Sempre estive muito engajada na luta pela defesa delas, tentando garantir seus direitos. Penso que colocar uma criança no mundo exige de nós muita responsabilidade. Nenhuma criança pede pra nascer, somos nós os responsáveis em garantir a elas tudo o que elas necessitam. Quando eu engravidei, eu já havia me dado conta que estava num relacionamento em que não caberia uma criança. Infelizmente aconteceu, nem sei como, pois eu sempre me cuidei para que não acontecesse. Estava segura que esta criança não teria um bom pai. Esse relacionamento estava fadado ao término. Eu já havia decidido terminar quando então, descobri que estava grávida. Eu sei que seria muito difícil pra mim poder garantir a esta criança tudo o que ela necessita, e não falo de recursos financeiros somente. Eu também estava num momento delicado de minha vida. Não me sentia segura para garantir a essa criança o mínimo de estabilidade necessária. Depois de muito pensar, e tive que pensar muito, pois já tenho 39 anos de vida, e talvez esta tenha sido minha primeira e última chance de engravidar. Sei que parece difícil de acreditar. Mas o centro de minhas reflexões era essa criança. Estabeleci com ela um relacionamento bonito, gostoso. E por profundo respeito a ela decidi interromper a gravidez. Meu parceiro me apoiou nesta decisão. Hoje, aproximadamente 40 dias após o aborto, não estamos mais juntos e sinto que esta foi a melhor decisão que tomei.

Did the illegality of your abortion affect your feelings?

SIM! No meu país aborto é crime. Há muita desinformação, muito desrespeito, e uma influência religiosa demoníaca que insiste em afirmar que quem faz aborto é assassino de crianças. Tratam-nos como a pior espécie de ser humano. A maioria dos padres gosta de pregar sobre isso, evangélicos ídem. Falta misericórdia. Só aqueles e aquelas que estão de fato inseridos na vida sofrida do povo não faz isso, mas infelizmente estes são minoria entre os cristãos.

How did other people react to your abortion?

Não contei a muitas pessoas. Partilhei com amigos e amigas muito íntimos que me apoiaram. Senti vontade de contar a mais pessoas, mas infelizmente imagino que alguns não entenderiam minha decisão e que talvez até me condenassem.

Tiene hijos?

Elija no hijos

Qué religión profesa?

Cristianismo